Caminhando…

No mês passado, ocorreram dois encontros importantes na trajetória do nosso projeto. No primeiro deles, nos reunimos com a cineasta e diretora da Cinemateca Olga Futemma, filha de okinawanos e diretora do primeiro filme sobre Okinawa produzido no Brasil. Trata-se do documentário “Hia Sá Saá – hai yah”, lançado em 1985 e que conta poeticamente a (re)construção da memória do imigrante e descendente de Okinawa no Brasil.  O filme de Olga é com certeza uma grande fonte de inspiração para o nosso projeto e retrata com delicadeza uma leitura da segunda geração em vias de integração, ainda que com suas particularidades, à sociedade brasileira.

Em nossa conversa, Olga demonstrou receptividade ao projeto, acreditando que dele pode surgir uma nova leitura, de uma terceira geração, sobre nossa cultura e nossa história. Por isso, e por sua imensa sensibilidade artística, esperamos tê-la sempre conosco na reflexão e produção do documentário.

O segundo encontro aconteceu na Casa de Cultura Japonesa da Universidade de São Paulo. O professor Koiichi Mori, docente do departamento de letras orientais da USP e um dos poucos estudiosos da cultura okinawana no Brasil, nos recebeu em meio aos seus muitos orientandos interessados pelos estudos japoneses. A palavra e o apoio de Mori ao projeto será fundamental, dada a escassa literatura sobre Okinawa no Brasil.

Além de inspiradores, esses encontros dão consistência ao projeto e nos mostra que um filme é sempre uma obra tocada a muitas mãos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: